segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Vênus pode ter abrigado continentes e oceanos, diz estudo



via
Terra

O planeta Vênus, hoje infernalmente quente e seco, pode no passado ter sido muito mais parecido com a Terra, abrigando oceanos e continentes. Essa é a implicação de um novo projeto de pesquisa que alega ter localizado indícios de altiplanos graníticos no planeta durante a avaliação de dados obtidos quase duas décadas atrás.

Em 1990, a espaçonave Galileo, da Administração Nacional da Aeronáutica e Espaço (Nasa), detectou emissões de infravermelho noturnas emanadas da superfície de Vênus. Ao analisar esses dados, uma equipe internacional de especialistas comandada pelo cientista planetário George Hashimoto, da Universidade de Okayama, Japão, constatou que as regiões elevadas de Vênus emitiam menos radiação infravermelha que as regiões de terras baixas.

Uma interpretação possível para a presença de emissões de infravermelho menos intensas nas regiões elevadas, dizem os autores do estudo, é que elas sejam compostas em larga medida de rochas conhecidas como 'félsicas', em especial o granito.

"Trata-se da primeira prova direta de que, nos primórdios da história do Sistema Solar, Vênus era um planeta habitável, com abundância de água", disse Dirk Schulze-Makuch, astrobiólogo na Universidade Estadual de Washington, em Pullman, que não participou do estudo.

A possível presença de granito também sugere que movimento de placas tectônicas e formação de continentes podem ter acontecido em Vênus, além de reciclagem de água e carbono entre o manto e a atmosfera do planeta. A implicação da formação de continentes seria "bastante significativa", diz o geofísico Norm Sleep, da Universidade de Stanford, na Califórnia.

Hoje, Vênus é completamente inabitável, com atmosfera formada por 96% de dióxido de carbono e temperatura superficial de cerca de 460 graus. "Qualquer forma de vida em Vênus que não tenha descoberto como colonizar o alto das nuvens um bilhão de anos depois da formação do planeta estaria em sérias dificuldades", diz Sleep. [Leia+]

"A questão é determinar por quanto tempo Vênus se manteve habitável. Mas isso oferece novo ímpeto à busca de vida microbiológica na atmosfera inferior de Vênus."


Um comentário:

André disse...

na real/ sempre fui engatado em viagens interplanetarias reais( mercurio/venus/marte) nos proximos 100 ou 200 anos/ tche/tudo é baseado em suposiçoes/ pra gente saber a verdade sobre venus ou um pouco da verdade tem que mandar um robozao e o robozao tem que voltar com o bagulho /ai sim da para estudar/isso ai é que nem sexo virtual e sexo real - da até para ter uma ideia do que a gente estamos comendo e nada mais.